quarta-feira, 18 de março de 2015

Redundant Array of Independent Disks RAID

RAID significa "Redundant Array of Independent Disks" ou conjunto redundante de discos independentes. A diferença para usuários comuns vem na performance muitas pessoas optam por fazer o Raid 0 . No Raid existem vários níveis são eles:

RAID Nível 0

Esse nível também é conhecido como “Striping” ou “Fracionamento”.
No RAID 0 os dados do são divididos em pequenos segmentos e distribuídos entre os diversos discos disponíveis, o que proporciona alta performance na gravação e leitura de informações, porém não oferece redundância, ou seja, não é tolerante a falhas. O aumento da performance no RAID 0 é obtido porque se vários dados fossem gravados em um único disco esse processo aconteceria de forma “Seqüencial” já nesse nível os dados são distribuídos entre os discos ao mesmo tempo.

O RAID 0 pode ser usado para estações de alta performance (CAD, tratamento de imagens e vídeos), porém não é indicado para sistemas de missão-crítica.

RAID Nível 0+1

O RAID 0+1 é uma combinação dos níveis 0 (striping) e 1 (mirroring). No RAID 0+1 os dados são divididos entre os discos e duplicados para os demais discos. Assim temos uma combinação da performance do RAID 0 com a tolerância à falhas do RAID 1. Para a implantação do RAID 0+1 são necessários no mínimo 4 discos o que torna o sistema um pouco caro.
Ao contrario do que muitos pensam, o RAID 0+1 não é o mesmo do RAID 10. Quando um disco falha em RAID 0+1 o sistema se torna basicamente um RAID 0.

O RAID 0+1 pode ser utilizado em estações que necessitam de alta performance com redundância como aplicações CAD e edição de vídeo e áudio.

RAID Nível 1

O nível 1 também é conhecido como "Mirror", “Duplexing” ou “Espelhamento”.
No RAID 1 os dados do são gravados em 2 ou mais discos ao mesmo tempo, oferecendo portanto redundância dos dados e fácil recuperação, com proteção contra falha em disco. Uma característica do RAID 1 é que a gravação de dados é mais lenta, pois é feita duas ou mais vezes. No entanto a leitura é mais rápida, pois o sistema pode acessar duas fontes para a busca das informações.

O RAID 1 pode ser usado para Servidores pelas características de ter uma leitura muito rápida e tolerância à falhas.

RAID Nível 2

O nível 2 também é conhecido como “Monitoring”.
O RAID 2 é direcionado para uso em discos que não possuem detecção de erro de fábrica, pois “adapta” o mecanismo de detecção de falhas em discos rígidos para funcionar em memória.

O RAID 2 é muito pouco usado uma vez que todos discos modernos já possuem de fábrica a detecção de erro.

RAID Nível 3

No RAID 3 os dados são divididos (em nível de bytes) entre os discos enquanto a paridade é gravada em um disco exclusivo. Como todos os bytes tem a sua paridade (acréscimo de 1 bit para identificação de erros) gravada em um disco separado é possível assegurar a integridade dos dados para recuperações necessárias.

O RAID 3 também pode ser utilizado para Servidores e sistemas de missão-critica.

RAID Nível 4

O RAID 4 é muito parecido com o nível 3. A diferença é que além da divisão de dados (em blocos e não bytes) e gravação da paridade em um disco exclusivo esse nível permite que os dados sejam reconstruídos em tempo real utilizando a paridade calculada entre os discos. Além disso a paridade é atualizada a cada gravação, tornado-a muito lenta.

O RAID 4 pode ser utilizado para sistemas que geram arquivos muito grandes como Edição de vídeo, porque a atualização da paridade a cada gravação proporciona maior confiabilidade no armazenamento.

RAID Nível 5

O RAID 5 é semelhante ao nível 4, exceto o fato de que a paridade não é gravada em um disco exclusivo para isso e sim distribuída por todos os discos da matriz. Isso faz com que a gravação de dados seja mais rápida, porque não existe um disco separado do sistema gerando um “Gargalo”, porém como a paridade tem que ser dividida entre os discos a performance é um pouco menor que no RAID 4.

O RAID 5 é amplamente utilizado em Servidores de grandes corporações por oferecer uma performance e confiabilidade muito boa em aplicações não muito pesadas. E normalmente são utilizados 5 discos para aumento da performance.

RAID Nível 6

O RAID 6 é basicamente um RAID 5 porém com dupla paridade.

O RAID 6 pode ser utilizado para sistemas de missão-critica aonde a confiabilidade dos dados é essencial.

RAID Nível 7

No RAID 7 as informações são transmitidas em modo assíncrono e são controladas e cacheadas de maneira independente, obtendo performance altíssima.

O RAID 7 é raramente utilizado pelo custo do Hardware necessário.

RAID Nível 10

O RAID 10 precisa de no mínimo 4 discos rígidos para ser implantado. Os dois primeiros discos trabalham com striping enquanto os outros dois armazenam uma cópia exata dos dois primeiros, mantendo a tolerância à falhas. A diferença básica desse nível para o RAID 0+1 é que sobre certas circunstancias o RAID 10 pode sustentar mais de uma falha simultânea e manter o sistema.

O RAID 10 pode ser utilizado em servidores de banco de dados que necessitem de alta performance e alta tolerância a falhas como em Sistemas Integrados e Bancos

0 comentários:

Postar um comentário